Seu email foi confirmado com sucesso!

Para ativar a senha de seu email, favor abrir um chamado no CAS informando a chave #.
Em alguns segundos, você será direcionado para a criação de sua assinatura digital.

X

Sua assinatura digital foi criada com sucesso!

Lhe foi enviado um email com a sua assinatura, juntamente com as instruções para a sua utilização.

Pessoa com deficiência: oficina de vivência capacita profissionais de saúde sobre o tema

Você com certeza já se deparou com alguma pessoa com deficiência e ficou confuso sobre o que falar e/ou como agir, não é? Isso é natural. Nestas situações, apesar da boa vontade, muita gente tropeça na falta de informação por não pensar nos desafios que estas pessoas enfrentam no dia a dia, sejam na rua, no transporte, em seus lares ou no ambiente de trabalho.

Com o objetivo de capacitar os profissionais de saúde do CEJAM e proporcionar uma experiência desafiadora e reflexiva sobre o tema, o Instituto de Responsabilidade Social CEJAM, por meio do Programa Deficiente Saudável, realizou uma Oficina de Vivência no CEU Guarapiranga, nesta segunda-feira (07/05).

“Começamos a olhar de uma maneira diferenciada a lei de cotas dentro do CEJAM. Neste momento, nosso objetivo é sensibilizar os profissionais para que estejam aptos a receber colaboradores com deficiência em suas Unidades”, explicou o coordenador do Programa, Lorivaldo Ribeiro.

A programação contou com a presença da consultora de inclusão da Talento Incluir, Tabata Contri. “A exclusão dói e precisamos falar cada vez mais da nossa responsabilidade com essa mudança no trato e na inclusão da pessoa com deficiência. As empresas também têm uma responsabilidade muito grande de educar as pessoas, seja por meio de palestras, material educativo, entre outros. Precisamos falar cada vez mais sobre inclusão”, afirmou Tabata.

A pausa para o café também foi reflexiva. Os participantes utilizaram equipamentos e acessórios para simular algum tipo de deficiência. “A ideia do café sensorial não é pensar no problema, mas nas possibilidades: o que eu consigo fazer com apenas uma mão? Ou sem enxergar? Dessa forma, a gente passa a pensar no outro, a se colocar no lugar dele e entender seu dia a dia”, disse a consultora.

O Superintendente do CEJAM, Dr. Fernando Proença de Gouvêa ressaltou a importância do cuidado e respeito à pessoa com deficiência. “Um trabalho muito bonito e importante que estamos realizando. E não podemos parar aí: temos que reivindicar por mais centros de reabilitação e a ajuda de todos é muito importante”, afirmou.


Data de Publicação: 08/05/2018

Fonte: Assessoria de Imprensa CEJAM