Seu email foi confirmado com sucesso!

Para ativar a senha de seu email, favor abrir um chamado no CAS informando a chave #.
Em alguns segundos, você será direcionado para a criação de sua assinatura digital.

X

Sua assinatura digital foi criada com sucesso!

Lhe foi enviado um email com a sua assinatura, juntamente com as instruções para a sua utilização.

‘Autismo: da pesquisa à prática’ é tema de Reunião Científica CEJAM

A Organização Mundial da Saúde indica que mais de 2 milhões de famílias brasileiras sejam afetadas pelo autismo atualmente. E, no mundo, 1% da população é acometida pelo transtorno.

O Transtorno do Espectro Autista (TEA) geralmente acarreta déficits sociais e comunicativos, comportamentos repetitivos, interesses restritos, dificuldades na interação social, entre outros sintomas.

Apesar dos avanços na comunidade científica no que diz respeito ao diagnóstico e tratamento da condição, especialistas ainda consideram recente a descoberta sobre o autismo.

Pensando na importância de se abordar o TEA, o tema desta sexta-feira (12/04) da Reunião Científica CEJAM foi ‘Autismo: da Pesquisa à Prática‘, com a palestrante convidada Graciela Pignatari.

Doutora em biologia molecular, Pignatari apresentou panorama geral sobre o transtorno, desde características comuns e prevalência do autismo no Brasil até informações de âmbito técnico, como a relação entre fatores genéticos e o TEA.

Além disso, a palestrante citou evidências científicas que desmitificam a relação entre vacinas e autismo. Pignatari ressaltou que a principal causa do transtorno é genética e, mais raramente, fatores ambientais.

O papel do SUS no diagnóstico precoce e no acolhimento da pessoa com autismo também foi pauta na reunião científica. “Quanto mais cedo for feito o diagnóstico, melhores serão a intervenção e os resultados”, comenta a bióloga.

Pediatra presente no encontro apresentou uma crítica a esse acolhimento do Sistema Único de Saúde, geralmente realizado por meio do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS). “Existe a necessidade de haver um lugar específico para acolher crianças com autismo, um lugar que ofereça acompanhamento com pediatra, terapia ocupacional e psicólogo, por exemplo”.  

Ao final da reunião, a coordenadora do Programa Parto Seguro, Anatália Basile, agradeceu publicamente a presença de Graciela. “Ter uma pesquisadora como você aqui conosco é muito gratificante. Em nome de todo o CEJAM, parabenizamos seu trabalho e determinação”, disse.

As Reuniões Científicas CEJAM ocorrem mensalmente na sede da Instituição e são voltadas para profissionais de saúde. Acompanhe o próximo encontro!


Data de Publicação: 12/04/2019

Fonte: Imprensa, Comunicação e Marketing